Pular para o conteúdo principal

Um certo sargento Aquino, o morto que não morreu

Sargento Aquino, líder da conflagração


Responsabilizados pelo amotinamento de um quartel do exército em Corumbá, os sargentos Aquino e Granja, sufocado o movimento, foram sumariamente condenados à morte por fuzilamento. O sargento  Granja foi executado, mas seu colega, o sargento Aquino, num vacilo da escolta, conseguiu escapar do pelotão da morte, a nado. Atirou-se no rio Paraguai e o atravessou a nado.

A aventura começou na madrugada de 27 de março de 1924, quando, sob influência dos revolucionários paulistas,liderados pelo general Isidoro, estoura no 17º batalhão de caçadores rebelião armada, com o aprisionamento do comandante, capitão Luis de Oliveira Pinto e a expansão do movimento para locais fora do quartel, na tentativa de tomar várias repartições públicas da cidade.

A reação foi organizada pelo coronel Frutuoso Mendes, chefe do serviço de recrutamento e dois tenentes, um deles alvejado e ferido. Soltaram o comandante e dominaram a situação com a prisão dos rebeldes.¹

A confusão começou no mesmo dia. Não se sabe quem a causou, mas os nome do executado foi trocado, sendo que  o sargento Antonio Carlos de Aquino foi dado como morto no lugar de seu colega Armando Granja. Inclusive no processo que tramitou no tribunal militar, contra o comandante que decretou a sentença de morte, o sargento Aquino aparece como a vítima da pena capital.²

A verdade somente seria restabelecida com o aparecimento do sargento Aquino, ao final da revolução de 30, quando o mesmo, que servira os rebeldes no Paraná, surge em São Paulo e é recebido como herói:

O Matto-Grosso (Cuiabá) 28 de dezembro de 1930

FONTE: ¹Lécio Gomes de Souza, História de Corumbá, edição do autor, Corumbá, sd. página 142. O Mato Grosso (Cuiabá), 28 de dezembro de 1930. ²A Batalha (SP), 7 de janeiro de 1930.

FOTO: acervo do professor Valmir Batista Correa.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crime entre irmãos abala Corumbá

Crime ocorrido a 20 de outubro de 1948, em Jacadigo, na fronteira com a Bolívia, abalou a população de Corumbá e teve repercussão nacional. Três irmãos solteiros, da família Velasquez, assassinaram Ramon Velasquez (foto), o irmão casado, com 18 tiros, no sítio onde este morava, numa disputa por terras. A notícia, publicada nos jornais da cidade e do Estado, foi destaque no Diário da Noite¹, do Rio de Janeiro: 




Segundo Felipe Velasquez, neto da vítima, os irmãos homicidas foram inocentados, alegando legítima defesa, "apesar de ser pública e notória a prática do crime".²
FONTE: ¹Diário da Noite (RJ) 27 de outubro de 1948; ²Felipe Velasquez, entrevista ao blog em 20 de maio de 2017
FOTO: acervo de Felipe Velasquez (Album de Família)

Morre o prefeito Ruiter Cunha de Oliveira

Morreu as 0:28 h de 1° de novembro de 2017, no hospital do Proncor em Campo Grande, o prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha de Oliveira, 53 anos.
Filho de Leir Cunha e Oswaldo de Oliveira (o saudoso e popular Rolinha), Ruiter Cunha de Oliveira nasceu em 24 de janeiro de 1964, viveu a infância e a adolescência em Corumbá. O esforço e a dedicação dos pais proporcionaram-lhe a oportunidade de se mudar para o Rio de Janeiro-RJ, onde cursou o antigo segundo grau e a faculdade de Ciências Econômicas, na Universidade Federal Rural do Rio De Janeiro (UFRJ), formando-se em 1985.
Da capital fluminense, voltou determinado a construir uma carreira profissional no Mato Grosso do Sul. Em Corumbá, fez mais uma faculdade: Ciências Contábeis, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), concluindo o curso em 1994. Já em 2002, concluiu pós-graduação em Contabilidade Gerencial, Auditoria e Controladoria pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp).
Com vocação p…

Justiça de Corumbá absolve contrabandista acusado de matar vereador

Em episódio marcado pela pressão e ameaças aos jurados, realizou-se em 24 de outubro de 1963 o julgamento do século em Corumbá. O réu foi o inspetor da alfândega da cidade, Carivaldo Sales (foto), indiciado pelo crime contra o vereador Edu Rocha, que o acusava de descaminho de automóveis da Bolívia para o Brasil. "O Cruzeiro", revista de maior circulação no país, e que veiculou as denúncias e denunciou o crime, deu cobertura ao evento, com a publicação de ampla reportagem, sob o título JUSTIÇA DE BRAÇOS CURTOS:
"Na cruz sobre a sepultura 184 do cemitério de Corumbá, uma placa lembra aos visitantes que ali está enterrado Edu Rocha, vereador covardemente assassinado pelo contrabandista Carivaldo Salles. Carivaldo era nada menos que o inspetor da Alfândega, a quem competia reprimir o comércio negro. Acusado por Edu Rocha, através de 'O Cruzeiro', de ser o chefe de uma gang todo-poderosa de contrabando, emboscou-o altas horas da noite e metralhou-o, atingindo também …