Pular para o conteúdo principal

Um certo sargento Aquino, o morto que não morreu

Sargento Aquino, líder da conflagração


Responsabilizados pelo amotinamento de um quartel do exército em Corumbá, os sargentos Aquino e Granja, sufocado o movimento, foram sumariamente condenados à morte por fuzilamento. O sargento  Granja foi executado, mas seu colega, o sargento Aquino, num vacilo da escolta, conseguiu escapar do pelotão da morte, a nado. Atirou-se no rio Paraguai e o atravessou a nado.

A aventura começou na madrugada de 27 de março de 1924, quando, sob influência dos revolucionários paulistas,liderados pelo general Isidoro, estoura no 17º batalhão de caçadores rebelião armada, com o aprisionamento do comandante, capitão Luis de Oliveira Pinto e a expansão do movimento para locais fora do quartel, na tentativa de tomar várias repartições públicas da cidade.

A reação foi organizada pelo coronel Frutuoso Mendes, chefe do serviço de recrutamento e dois tenentes, um deles alvejado e ferido. Soltaram o comandante e dominaram a situação com a prisão dos rebeldes.¹

A confusão começou no mesmo dia. Não se sabe quem a causou, mas os nome do executado foi trocado, sendo que  o sargento Antonio Carlos de Aquino foi dado como morto no lugar de seu colega Armando Granja. Inclusive no processo que tramitou no tribunal militar, contra o comandante que decretou a sentença de morte, o sargento Aquino aparece como a vítima da pena capital.²

A verdade somente seria restabelecida com o aparecimento do sargento Aquino, ao final da revolução de 30, quando o mesmo, que servira os rebeldes no Paraná, surge em São Paulo e é recebido como herói:

O Matto-Grosso (Cuiabá) 28 de dezembro de 1930

FONTE: ¹Lécio Gomes de Souza, História de Corumbá, edição do autor, Corumbá, sd. página 142. O Mato Grosso (Cuiabá), 28 de dezembro de 1930. ²A Batalha (SP), 7 de janeiro de 1930.

FOTO: acervo do professor Valmir Batista Correa.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Crime entre irmãos abala Corumbá

Crime ocorrido a 20 de outubro de 1948, em Jacadigo, na fronteira com a Bolívia, abalou a população de Corumbá e teve repercussão nacional. Três irmãos solteiros, da família Velasquez, assassinaram Ramon Velasquez (foto), o irmão casado, com 18 tiros, no sítio onde este morava, numa disputa por terras. A notícia, publicada nos jornais da cidade e do Estado, foi destaque no Diário da Noite¹, do Rio de Janeiro: 




Segundo Felipe Velasquez, neto da vítima, os irmãos homicidas foram inocentados, alegando legítima defesa, "apesar de ser pública e notória a prática do crime".²
FONTE: ¹Diário da Noite (RJ) 27 de outubro de 1948; ²Felipe Velasquez, entrevista ao blog em 20 de maio de 2017
FOTO: acervo de Felipe Velasquez (Album de Família)

Chegam a Corumbá os primeiros navios brasileiros

Restabelecida a navegação do Rio Paraguai, com a ocupação de Assunção pelas forças aliadas em 5 de janeiro de 1869, chega a Corumbá, no dia 25, com destino à Cuiabá, a primeira frota brasileira, composta das seguintes embarcações: Henrique Martins, Fernando Vieira, Henrique Dias, Felipe Camarão e Ivay.A frota deixou a capital paraguaia em 15 de janeiro, sob o comando do 1° tenente Manoel José Alves Barbosa. Em Corumbá foi recebido pelo tenente-coronel Antonio Maria Coelho, comandante do distrito militar. Os detalhes estão no relatório do tenente aos seus superiores:"Janeiro 25 - Às 5 horas da manhã suspenderam os navios. A 1 hora da tarde passaram em frente da vila de Albuquerque.Em um rancho que aí existe no porto, e onde, como depois constou-nos, deviam achar-se algumas praças pertencentes ao destacamento de Corumbá, nem uma só pessoa foi vista.O inesperado aparecimento dos vapores, antes que houvesse tempo de reconhecer a bandeira nacional arvorada no tope grande de cada um de…

Nasce em Corumbá, Oliva Enciso, a primeira mulher eleita deputada no Estado

Pantaneira da fazenda Taquaral, em Corumbá, nasceu a 17 de abril de 1909, Oliva Enciso. Filha de Santiago Enciso e Martinha Enciso, fez seus primeiros estudos no Colégio Maria Leite e no colégio das Irmãs em Corumbá. Com a morte do pai, em 1923, muda-se para Campo Grande e continua a estudar, matriculando-se no Colégio Spencer. Em 1925 é admitida no Insituto Pestalozzi. Em 1929 é aprovada no vestibular de Medicina da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, mas não concluiu o curso e retornou a Campo Grande, em 1932 e cursou Farmácia. Em 1938 concluiu o curso de normalista na Escola Normal Dom Bosco. 

No início da década de 50, assume em Mato Grosso a direção da Campanha Nacional dos Educandários Gratuitos (CENEC) e criou e dirigiu por muitos anos a Sociedade Miguel Couto dos Amigos do Estudante, por onde passaram mais de dez mil crianças e adolescentes. 

Na política, filiada à União Democrática Nacional (UDN), elegeu-se vereadora em Campo Grande em 1954, sendo a mais votada e exerceu o…